Conheça os exames para obter uma certificação em inglês

exames de certificação do inglês

A obtenção de uma certificação em inglês pode ser muito necessária quando se trata de estudar no exterior ou trabalhar para uma empresa internacional ou fora de nossas fronteiras. Nesses casos, instituições e organizações solicitam a seus candidatos um certo nível de inglês que lhes permita concluir seus estudos ou trabalhar sem qualquer barreira no idioma.

Existem diferentes tipos de testes ou exames de inglês para diferentes fins, endossados ​​por instituições de renome. Abaixo, a Wizard Curitiba vai apresentar a você quais são as certificações mais reconhecidas e em quais contextos elas são funcionais.

IELTS, Sistema Internacional de Testes de Língua Inglesa

Este instrumento pertence à Universidade de Cambridge, British Council e IDP IELTS Australia. É um dos exames de certificação mais utilizados no mundo para fins acadêmicos e de migração. Várias universidades nos EUA exigem isso, assim como todas as universidades da Grã-Bretanha, Nova Zelândia e Austrália. Além disso, algumas empresas usam esse teste como requisito para o recrutamento de pessoal. O IELTS não aprova ou reprova o candidato, apenas estabelece níveis de inglês em uma escala de 0 a 9.

TOEFL, teste de inglês como língua estrangeira

Este teste pertence à organização americana ETS, Educational Testing Service. É um teste de inglês para falantes não nativos. É semelhante ao IELTS e é usado para fins acadêmicos e profissionais em todo o mundo e na maioria das universidades nos Estados Unidos. Este formato estabelece pontuações e é válido por um ano.

TOEIC, Teste de Inglês para Comunicação Internacional

Pertence ao ETS, Educational Testing Service, e hoje é provavelmente o exame de certificação profissional em inglês mais conhecido e aplicado no mundo. Ele mede a capacidade de entender o idioma nos ambientes de trabalho.

BULATS, Serviço de testes de idiomas para negócios

O teste BULATS da Cambridge English Language Assessment é uma certificação que avalia a proficiência na língua inglesa, com ênfase na compreensão de leitura e audição; e expressão oral e escrita. Permite conhecer a competência comunicativa do falante não nativo em contextos reais de trabalho. Também possui duas versões: uma para habilidades passivas e outra para habilidades ativas. A versão de habilidades passivas é a mais usada.